Amigos de Leilanina

6 de julho de 2019

A linguagem corporal da depressão


As microexpressões faciais são de especial importância na linguagem corporal da depressão. A pessoa deprimida mostra o seu estado de humor através das pálpebras, olhos, boca e músculos da testa.

A linguagem corporal da depressão inclui microexpressões, posturas e gestos que mostram o estado de humor decadente. Vale a pena conhecê-la, porque muitas vezes esses estados de tristeza podem passar despercebidos à primeira vista. O que a boca não diz, muitas vezes o corpo grita.
A depressão, como todos os outros estados de humor, tem um impacto sobre o corpo. Não só o molda e lhe dá uma forma específica, mas também afeta a saúde. Corpo e mente formam uma unidade e o que acontece em uma área tem efeitos na outra.
A linguagem corporal da depressão é inconsciente. No entanto, os outros também podem percebê-la, mesmo que o façam intuitivamente. Enquanto a linguagem se comunica, ela também constrói uma percepção nos outros. Em outras palavras, o ambiente percebe esse abatimento e isso, é claro, também afeta o relacionamento com os outros. Vejamos tudo isso com mais cuidado.
A depressão é alimentada devido a feridas não curadas”.
– Penélope Sweet –

O rosto: um ponto-chave na linguagem corporal da depressão

As microexpressões faciais são particularmente reveladoras do estado de espírito da pessoa. São gestos mínimos que aparecem no rosto e que nunca mentem. Falamos de respostas involuntárias controladas pelo cérebro límbico que aparecem sem que a pessoa perceba que elas estão lá e sem que consigam controlá-las conforme a sua vontade.
Na linguagem corporal da depressão, as microexpressões mais características são as seguintes:
  • A pálpebra superior caída. A pele da pálpebra superior parece um pouco flácida e, portanto, dá a aparência de que o músculo caiu. O ponto onde a pálpebra superior se encontra com a pálpebra inferior faz uma ligeira curva descendente.
  • Falta de foco. O aspecto do olhar também é diferente em uma pessoa deprimida. Os olhos não estão focados em um ponto, há uma certa indefinição. É como se o olhar estivesse um pouco perdido, embora fixo em um ponto.
  • Comissuras dos lábios para baixo. A forma da boca é como a de um semicírculo curvado para baixo. As extremidades dos lábios parecem ligeiramente flácidas. Este é, talvez, o gesto mais comum na linguagem corporal da depressão.
  • Sobrancelhas cerradas. Geralmente as pessoas deprimidas enrugam ligeiramente a região entre as sobrancelhas. Não tanto quanto quando há muita preocupação e raiva, apenas ligeiramente. O seu rosto como um todo parece surpreso com algo que os decepciona.

  •    Depressão na menopausa

Linguagem corporal da depressão: a postura da cabeça

Na linguagem corporal da depressão, a posição da cabeça em relação ao restante do corpo também conta muito. Normalmente, a cabeça está, em certa medida, inclinada para baixo; enquanto o corpo é jogado um pouco para trás, a cabeça está ligeiramente para frente.
Também é comum a cabeça se inclinar para um lado, quase sempre para o lado direito. Isso acontece principalmente quando a pessoa deprimida está ouvindo alguém a quem dá poder ou autoridade.

O tom de voz e o jeito de falar

No tom da voz de uma pessoa deprimida aparecem traços que mostram o seu estado de espírito. Além disso, elas costumam falar em um tom baixo, e também há uma espécie de choro na sua voz. A voz se rompe levemente ou tem uma espécie de rouquidão quase imperceptível. O tom lembra a voz de alguém que chora.
Da mesma forma, o modo de falar de uma pessoa deprimida tem características diferenciadas. Em geral, elas falam pouco e não são muito emotivas. É comum que tenham problemas para vocalizar e articular palavras de uma maneira definida. É como se a pessoa estivesse com ‘preguiça‘ de se expressar.
                   A linguagem corporal da depressão

A postura corporal e outros detalhes

A postura também é um dos aspectos mais visíveis na linguagem corporal da depressão. O comum é que a pessoa tenha o corpo flácido. A sua coluna forma uma curvatura, como uma concha. É como se estivesse dobrada sobre si mesma.
Também é muito comum que os seus movimentos sejam lentos, às vezes combinados com movimentos secos ou agressivos. Elas podem arrastar os pés enquanto andam, como se quisessem dizer que têm problemas para seguir em frente.
Finalmente, as pessoas deprimidas tendem a aumentar a frequência com que suspiram. Elas o fazem em qualquer momento e várias vezes ao dia. Isso pode ser entendido como um desejo frustrado de se sentirem confortáveis com a situação em que se encontram.


Nenhum comentário:

Postar um comentário