Trechos do meu diálogo interno…

By Leila Maria - setembro 29, 2017



“Ao longo do meu dia, pego-me falando com você. Nossas conversas geralmente são longas e repletas de emoção. Algumas vezes carregadas de rancor, medos, inseguranças, cobranças; outras tantas de carinho, paz e boas lembranças.
Perdi a conta de quantas vezes disse que precisava deixá-lo, precisava ir, precisava respirar. Expliquei com toda a minha lógica, coloquei todos os pingos nos “is”, justifiquei com várias cenários (imaginários e reais), dei-lhe exemplos.
Tem noites que, antes de dormir, eu faço mil perguntas para as respostas que nunca tive; ou não quis ver. Fico criando mil suposições para entender toda essa página mal acabada. Em outros momentos tenho todas as certezas; algumas doem. Muito!
Outras me enchem de paz por saber que foi o melhor a se fazer, por finalmente entender que foi preciso ser como foi. Até agradeço. Consigo mesmo sentir gratidão por tudo e por perceber meu crescimento até aqui.
Na nossa conversa você apenas me olha, plácido. Mas é assim que vou me despedindo. Assim que vou me curando…”

                      Resultado de imagem para olhar

Nem sempre é possível tocar o tangível para fecharmos um ciclo. Às vezes são necessárias muitas catarses para fechar a ferida. São nossos diálogos internos que ajudam nesse processo.

É nossa constante autoafirmação, autoanálise e diálogo interno que vão resolvendo aquilo não foi possível fazer frente a frente. É como se aos poucos somos liberados de toda aquela carga que ficou parada ali na garganta.

                      Resultado de imagem para cura

Nesse processo tem muito choro, angústia, raiva, medos, mas deixa vir. Permita chegar, sentir e passar.

Usar o diálogo interno para resolver questões que ficaram pendentes é uma ótima forma de se libertar. É um processo doloroso que vai acontecendo aos poucos.
São pequenos trechos ao longo do dia que vão montando um mosaico de informações mal processadas, alguns insights. E todos os seus monstros vem à tona! Enfrente. Olhe para eles com olhos bem abertos e peito livre.  Converse. Perdoe. Acolha e diga adeus.
Aos poucos essa voz vai ficando fraca, um mero sussurro lá no final da sua mente. Aos poucos as conversas vão diminuindo, alguns espasmos aqui e ali.

Quando você sentir que não tem mais ansiedade, não tem mais espera, não tem mais angústia, você sabe que o ciclo está encerrado.

E você está pronto, de novo.

Converse. Perdoe. Acolha e diga Adeus.


                                                  Por:Mi Keller



                                                    

  • Share:

You Might Also Like

0 Comments