Repara que o outono é mais estação da alma do que da natureza

By Leila Maria - março 30, 2017



O dia amanheceu um tanto diferente. A paisagem bucólica sorria timidamente, típico de uma manhã de outono. As árvores perdiam suas primeiras folhas, que coloriam o chão, secando ao tempo. Aos olhos de uns, a beleza estava enfeando. Para outros, renovando-se. O vento fazia-se notar.
Particularmente, gosto do outono. Uma das poucas definições mornas, relacionadas a meio-termo, que me agradam: nem tão quente como o escaldante verão, nem tão frio quanto o impiedoso inverno. Tecendo uma analogia, o outono é, quem sabe, a estação que mais desperta sentimentos até outrora adormecidos. Drummond também pensava assim ao alertar: “Repara que o outono é mais estação da alma do que da natureza”. E, ele estava certo.
Talvez seja o outono, entre todas as estações, a que nos oferta mais introspecção. Ao formarem-se os primeiros tapetes coloridos, pelas ruas que passamos distraídos, somos tomados pela sensação de transformação e renascimento.
Afinal, assim como elas, que antes esbanjavam vida em ipês floridos e hoje estalam ao ser pisadas por impiedosos sapatos mal calçados, nós também, por inúmeras vezes caímos, enfraquecidos pelos pesos que ousávamos sustentar. Temos a semelhança de por momentos nos vermos tristes, olhando tombados ao solo a poesia de nossas vidas ser levada para longe.
Mas logo, num estalar de galhos mortos, nos reerguemos, voltando a ser amor. Posto que, como tão bem disse Renato Almeida: “outono te deixo ficar, tome junto comigo um café. Em contrapartida te peço um pouco de sol no meio da tarde, para aquecer minhas folhas douradas. Pois há ainda orvalho em meu rosto que não pude secar”.
E assim como a certeza da beleza trazida pelo outono, que saibamos que tudo é temporário, passageiro deste tempo e além. Se dor for, não durará a eternidade. Como também é possível, que não seja eterno o suposto amor. E as dores que dançam conosco, no vai e vem das sementes que germinam na terra fértil que as recebe, também são transitórias num infinito contestável.
Cabe a nós aproveitarmos o outono. E, que junto com as folhas, o que não nos serve mais, vá para longe. Que as mágoas sequem e que rasguem com o vento aquilo que nos prendem. Já que estamos mais resguardados, que poupemos nossas energias para o inverno que se anuncia.
Marco Paschoal anunciou e seu prelúdio repercutiu em mim como uma prece: “É hora de cortar os excessos, cortar aquele galho que pesa, deixar só os galhos úteis expostos, nenhuma folha. Quanto menos atrito com o vento frio e forte, melhor! É hora de deixar bonita e forte, a terra, lá na raiz, onde ninguém vê, para então, quando chegar a primavera, logo nas primeiras chuvas, tudo novo rebrotar mais lindo, colorido intenso, forte, imponente, radiante. Quero outono não outrora, quero o novo, quero agora”

Karol Pinto






  • Share:

You Might Also Like

0 comentários